ENEM e Liberdade de Expressão

O que vocês pensam da decisão judicial que eliminou o critério do ENEM de que as redações têm que se pautar pelo respeito aos direitos humanos? Será que era correto zerar uma redação por desrespeitar o que eles consideram como “o pensamento correto”?

Apesar de a maioria das redações desclassificadas defenderem coisas absurdas na minha opinião, e de o respeito aos direitos humanos ser fundamental para haver uma sociedade minimamente justa e livre, esses mesmos direitos humanos têm que incluir a liberdade de expressão irrestrita.

(clique para ampliar. Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2017-10-28/enem-redacao-direitos-humanos.html)

É como disse Voltaire Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las. Um dos direitos mais fundamentais para uma sociedade que se chama de livre é a liberdade de expressão. Qualquer coisa pode ser dita, qualquer absurdo pode ser defendido. Por exemplo alguém deveria ser proibido de defender o nazismo? Não! Se ele quiser andar com uma suástica no braço, falar Heil, Hitler e dizer que não houve holocausto é um direito dele! O que essa pessoa jamais pode fazer é realizar nenhum ato discriminatório contra um judeu, nem um tipo de agressão, ameaça, nem nada. Agora defender ideias não pode ser coibido.

Nesse ponto os EUA são muito mais avançados que o Brasil. Lá, segundo a 1ª Emenda da Constituição, você pode defender qualquer ideia. Tanto que existem os movimentos nazistas, a KKK, etc, todos perfeitamente legais. Esse link explica a 1ª Emenda resumidamente em relação a um caso específico. Para mais informações, Wikipedia. (Na página em inglês tem muito mais informações). Atualmente as restrições à liberdade de expressão nos EUA são muito poucas, graças à 1ª Emenda (parece aqui que eu pago pau pros americanos. Não é verdade, mas tem alguns casos, como na questão da liberdade de expressão, que lá é melhor sim).

Já no Brasil, “discursos de ódio” ou que “incitem à violência” podem ser censurados na justiça. Leiam este artigo, que explica muito bem a diferença entre os sistemas americano e brasileiro. Há casos ridículos, como um cara que foi processado por ter uma piscina com azuleijos formando a suástica (viram de helicóptero, daí a polícia foi na casa dele e apreendeu vários itens de apologia ao nazismo) e outro que foi preso por fabricar camisetas com a suástica. É ridículo isso! Se você quiser ter objetos de apologia ao nazismo, facismo, socialismo, anarquismo, ao PCC, whatever foda-se, é um direito seu. Principalmente na sua própria casa. Isso é uma tentativa do Estado controlar que ideias podem ou não ser veiculadas na sociedade, e isso é inaceitável num sistema que se chama de democrático (que não é democracia porra nenhuma! Isso é uma das maiores mentiras que inventaram).

Então, por mais que me doa concordar com uma ação impetrada pelo Escola sem Partido, eu sou obrigado a apoiar a iniciativa e aplaudir a decisão do juíz. Eu não sou bobo e sei que o objetivo do ESP ao entrar com essa ação é defender o projeto de educação deles, que é um projeto que busca criar uma educação de ideologia única, a da direita e dos conservadores. Porque a censura que eles combatem é só aquela que busca reprimir as manifestações contrárias aos Direitos Humanos. Mas a ação em si foi boa, mesmo que tenha sido feita pelos motivos errados. Toda forma de censura tem que acabar.

 

Ração para pobre

E aí, o que você acha de comer ração? É, ao invés de comer arroz, feijão, carne, salada, você come ração para se alimentar. Para quê comer comida se você pode satisfazer suas necessidades alimentares com uma ração nutritiva. Afinal de contas, seu cachorro come ração e não reclama né?

Essa é a ração humana do Dória. É só moer um monte de comida quase vencida, encher de química, e pronto: você tem essas bolinha nutritivas. Além disso, pobre não precisa comer comida mesmo. Pobre não tem hábito alimentar, como diz o Dória.

Essa comida deve ser tão nojenta que até o secretário do Dória fez cara de nojo ao comer. É claro que ele deve estar acostumado com alimentos frescos, orgânicos. Talvez para quem passa fome deve ser bom. Quando você está com fome, qualquer comida é boa. Mas será que é justo que o pobre tenha que comer esse lixo, quando temos condições de fornecer uma alimentação de verdade para ele?

É que pobre não precisa comer bem. Pobre só precisa não morrer de fome para continuar sendo uma engrenagenzinha do sistema. E quando ele tiver um problema de saúde lá na frente por causa dessa merda que ele está comendo, foda-se, pobre nasce todo dia: morre um, nasce outro. Nunca vai haver escassez de mão de obra. Enquanto isso, a classe média e a elite vai se alimentar muito bem.

Se você parar para pensar sempre foi assim. Desde a antiguidade, por exemplo, carne era comida para os ricos. Para o pobre era só pão. Ele só precisava se manter de pé para trabalhar, não precisava de proteína para se desenvolver adequadamente. O Dória, como bom representante da elite colonial que é, só está continuando a tradição.

Intervenção militar ou intervenção popular?

Vamos falar de intervenção militar, que está tão em voga hoje em dia. Muita gente, cansada da palhaçada dos políticos, de toda a corrupção, do caos que o país vive hoje, acha que se o exército tomasse o poder seria uma solução para colocar a “casa em ordem”. Geralmente essas pessoas ou são jovens e não viveram o período militar e são iludidas a acreditar que na época não havia uma ditadura, que quem se ferrava era só os “baderneiros de esquerda”, e que o país era muito melhor para se viver, que havia “ordem”, etc. Ou então são pessoas mais velhas de direita que descaradamente apoiam uma ditadura militar por apoiarem toda a barbaridade que foi cometida.

Vamos falar dos mais jovens. Essa defesa da ditadura militar vem atrelada a um crescimento do pensamento de direita entre a juventude. Essas pessoas, desiludidas com o governo do PT, que para elas representa o socialismo (não tem ideia do que é socialismo, pois se tivessem saberiam que o PT não tem nada a ver com ele), são facilmente cooptadas pelos novos grupos de direita que estão surgindo, com um apelo aos jovens (MBL, estou falando de você). Apesar de o PT realmente ter decepcionado em muitos pontos, foi graças a ele que tivemos o fim da miséria extrema no Brasil (eu estou falando de passar fome, não de não ter acesso a algum produto de consumo), a ascenção de uma nova classe média, que agora pode fazer faculdade, agora anda de avião, tudo graças ao governo do PT.

Isso enfureceu a antiga classe média, que guarda no Brasil uma forte herança colonial, que tem horror que o pobre ocupe os mesmos espaços que ela. Daí impulsionar esses novos movimentos da “direita liberal”.

O povo tem que abandonar essa noção que as forças armadas são instituições incorruptíveis, e que só pensam no interesse nacional. Havia sim corrupção (http://esquerdadiario.com.br/10-escandalos-de-corrupcao-da-ditadura-militar-abafados-pelas-Forcas-Armadas), mas por causa da censura a maioria dos casos não chegava a conhecimento do público. Os grupos no poder também não estavam ali defendendo os interesses nacionais (http://www.esquerdadiario.com.br/Por-que-a-ditadura-militar-nunca-teve-nada-a-ver-com-a-defesa-dos-interesses-nacionais).

O que ocorreria no caso de uma intervenção militar? Bem, vamos ver o contexto em que o Gen. Mourão falou da possibilidade de intervenção (https://www.poder360.com.br/brasil/em-evento-da-maconaria-general-do-exercito-propoe-intervencao-militar/). Isso mesmo, num evento da maçonaria! (esse link faz uma análise interessante sobre o caso: http://altamiroborges.blogspot.com.br/2017/09/o-general-mourao-e-maconaria-no-brasil.html) Além da maçonaria ser uma organização super conservadora, ela sempre busca interferir politicamente, sendo que vários grandes nomes da política são maçons. Isso para não falar da ligação entre maçonaria e os Illuminatti e a Nova Ordem Mundial!

Se houvesse uma intervenção militar, provavelmente haveria a instalação de um governo totalmente pró-elite e defensor dos interesses do capital internacional. Esqueçam a ilusão de que os militares criariam um país soberano. Não, nós seríamos cada vez mais as putas dos americanos. E o povo iria ser cada vez mais explorado, sem direito a aposentadoria, sem direitos trabalhistas, benefícios sociais, nada. Você vai trabalhar para sustentar a elite até morrer. E ai de você se reclamar! Vai parar num porão do DOI-CODI.

O que é necessário é uma intervenção popular. O povo se organizar e tomar o poder em suas mãos. Expulsar toda essa corja do poder e fundar uma república que trabalhe em defesa dos interesses da massa trabalhadora. Só assim vamos ter um país livre, soberano e justo!